Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Eis aí a tua Mãe

Honrar a sua mãe é ajuntar um tesouro


Talvez a responsabilidade paterna pelo futuro dos filhos nunca tenha sido tão pesada como em nossos dias, tais são as circunstâncias do mundo neopagão em que vivemos.
Cumpre, pois, salientar a importância do exemplo dos pais -- e sobretudo das mães -- para a formação da prole. Amanhã, se colherá o que for semeado hoje...
Assim, na presente edição, apresentamos alguns exemplos que podem servir de incentivo aos pais na árdua tarefa de educação dos filhos, pelos quais deverão prestar contas a Deus.

“Na origem da santidade: virtudes das próprias mães”
Do famoso escritor católico francês Monsenhor Henri Delassus (1836-1921):
“Oh, meu Deus! Devo tudo à minha mãe!”, dizia Santo Agostinho.
No seu reconhecimento por havê-lo impregnado tão profundamente da doutrina de CristoSão Gregório Magno mandou pintar sua mãe, Silvia, ao lado dele, trajando um vestido branco, com a mitra dos Doutores, erguendo dois dedos da mão direita como para abençoar, e segurando na mão esquerda o livro dos Santos Evangelhossob os olhos do filho. ....
“Mais próximo de nós, a alguns que o felicitavam por ter tido tão cedo o gosto pela piedadeo Santo Cura d'Ars diz: ‘Depois de Deus, isto é obra de minha mãe’.
“Quase todos os Santos fizeram remontar as origens de sua santidade a suas mães”(Henri Delassus, Le Problème de L'Heure Présente, Desclée de Brouwer, Lille, 1905, Tomo II, pp. 575-576).(Grifos nossos)
São Gregório Nazianzeno: aponta os pais como seus intercessores celestes
Lê-se em conhecido Dicionário de Teologia católica:
“São Gregório Nazianzeno (329-390) mostra sua mãe Nonna respondendo às orações de seus filhosele exprime também confiança na intercessão de seu pai (Carm. II, 78, P.G. t. XXVIII col. 52)” (P. Sejourné, verbete Saints, Culte des, in Dictionnaire de Theologie Catholique, Letouzey et Ané, Paris, 1939, tomo XIV, p. 894) (Grifos nossos).
Acendrado amor de Santo Agostinho por Santa Mônica
Conta Monsenhor Bougaud em sua obra em que narra a vida de Santa Mônica (322-387), mãe de Santo Agostinho:
Agostinho amava com delírio a sua mãe, falava dela sem cessar e embalsamou, com a sua lembrança, quase todos os escritosVinte anos depois da morte de Santa Mônica, envelhecido, mais pelo trabalho do que pelos anos, encanecido na penitência, quando chegou a esse estado em que o amor de Deus, rompendo os diques e inundando o coração, havia destruído nele todos os demais amoresAgostinho não podia recordar-se da mãe, ainda mesmo no púlpito, sem que os olhos se lhe enchessem de lágrimas. Abandonava-se então aos encantos desta recordação; falava dela ao povo de Hipona, nos sermões, com encantadora beleza, manifestando, juntamente, o grande amor e a reconhecida piedade de filho e a assombrosa elevação de sábio e de santo” (Mons. Bougaud, Santa Mônica, Edição da Typ. de S. Francisco, Bahia, 1928, pp. 20-21) (Grifos nossos).
Para São Bernardo, sua mãe: verdadeiro “mestre de noviços”
De São Bernardo de Claraval (1090-1153) conta uma biografia escrita por um monge cisterciense:
“Como poderia Bernardo esquecer sua mãe, aquela alma tão extraordinária que, com doçura e perseverança, formara sua consciência?
Quantas vezes Bernardo e seus irmãos reconheceram que para eles, o verdadeiro ‘mestre de noviços’ tinha sido sua mãe, a Bem-aventurada Alice de Montabar!
Desde os primeiros anos ela foi ensinando a todos a ter fé, essa fé cega nas doutrinas da Igreja, inculcando o respeito e a veneração pelo Vigário de Cristo, fazendo-os compreender que em meio às flores do mundo se encontravam muitos espinhos que picavam as mãos e faziam sangrar os pés ao tentar colhê-las... Ajustava-se à sua mentalidade de crianças, primeiro, de adolescentes, depois, de jovens que haviam de decidir o seu porvir mais tarde... Fê-los obediente, mortificados, piedosos, e, ainda antes de terem o uso da razão, ensinou-os também a rezar, a voltar-se para o céu quando a alegria reinava à sua volta ou quando as lágrimas turvavam os seus olhos, para que não ficassem em tolas lamentações, mesmo nos pequenos sofrimentos, nas contrariedades insignificantes ou nos desejos não satisfeitos. ....
Jamais retrocederam naquele rumar para o alto no qual os colocou sua boa mãe, se bem que, certamente, por caminhos diferentes” (Fr. Ma. Gonzalo Martinez Suares, Bernardo de Claraval, Editorial El Perpetuo Socorro, Madri, 1964, pp. 314-316) (Grifos nossos).
“Filho relata em livro vida piedosa da mãe”
Do Decreto sobre a heroicidade das virtudes de Madre Maria da Encarnação (1599-1672), publicado por ordem de São Pio X:
“Maria Guyart, também chamada da Encarnação, nasceu em Tours no V dia das Calendas de novembro (29 de outubro) do ano de 1599. .... Ela teve um filho que logo consagrou a Deus tanto quanto estava em seu poder fazê-lo. .... Após a morte de seu marido .... e depois de suportar, naquela época de sua vida, muitas provações, ela pôde, finalmente, fazer o voto de castidade como desejava há longo tempo. Pouco depois, tendo confiado seu filho Cláudio, de doze anos, aos cuidados de uma irmã muito dedicada, e apesar da oposição deste, ela fez profissão religiosa na Ordem das UrsulinasEsse ato teve um feliz resultado: com efeito, Cláudioapós ter recebido uma excelente educação dos padres Jesuítas, abraçou a vida monástica na Ordem de São Bento e, depois de ter sido ordenado Padre, relatou em um belo livro a vida de sua piedosíssima mãe” (Chanoîne J.L. Beaumier, Marie Guyart de L'Incarnation, Éditions du Bien Public, Trois-Rivières, 1959, pp. 233-234) (Grifos nossos).
“Honrar sua mãe é ajuntar um tesouro”
Do prefácio de um livro sobre a Madre Maria da Encarnação, fundadora das Ursulinas em Québec, escrito por uma freira dessa Ordem:
Antes de escrever a Vida de sua santa mãe (a Venerável Maria da Encarnação), Dom Cláudio Martin nos abre seu coração de monge timorato. A grande voz de Maria da Encarnação acaba de extinguir-se, mas ela canta ainda na alma de seu filho beneditino. .... São Gregório Nazianzeno falava bem de seu pai, de sua mãe, de sua irmã e de seu amigo Basílio, nas suas Orações e suas Poesias. ....
“Óh! grande irmão Cláudio, não esqueçais do que nossa mãe vos escrevia um dia para vos encorajar a glorificar São Bento:
“‘Um bom filho louva seu pai e isto lhe fica bem’.
“E eu, de minha parte, digo com o Eclesiástico: 'Honrar a sua mãe é ajuntar um tesouro` (3, 5)” (Soeur Marie-Emmanuel OSU, Marie de L'Incarnation, Les Éditions de L'Université, Ottawa, 1946, p. 9) (Grifos nossos).
Dom Vital: mãe virtuosa na origem da sua devoção mariana
Sobre Dom Frei Vital Maria Gonçalves de Oliveira (1844-1878), Bispo de Olinda, cujo Processo de Beatificação está em curso, comenta um frade capuchinho, irmão de hábito do Prelado pernambucano:
Dos lábios maternos aprendeu Antônio (o futuro D. Frei Vital) os princípios da nossa fé e as primeiras orações.
Mais tarde comprazia-se em dizer que sua terna devoção a Nossa Senhora, à Virgem Imaculada, era fruto dos conselhos e exemplos de sua virtuosa mãe” (Fr. Félix de Olivola, Um Grande Brasileiro, Imprensa Industrial, 3ª ed., 1937, p. 21) (Grifo nosso).

Nenhum comentário:

Postar um comentário