Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

O FUNDAMENTO E O PRINCÍPIO DE TUDO CONSTITUI TAMBÉM A FINALIDADE ÚLTIMA


TUDO O QUE NÃO É DEUS, POR DEUS FOI CRIADO, E ESTÁ, QUER QUEIRA, QUER NÃO, ABSOLUTAMENTE ORDENADO, POSITIVA OU NEGATIVAMENTE, AO SEU CRIADOR


Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral
Escutemos o Papa Leão XIII, num trecho da sua encíclica “Aeterni Patris”, promulgada em 4 de Agosto de 1879:
«Também a sociedade doméstica e a civil que são levadas a graves perigos, como todos podem ver, por aquelas doutrinas perversas e venenosas, poderiam certamente estar mais tranquilas e seguras, se nas Academias e nas escolas se ensinasse uma Doutrina mais saudável e mais conforme ao Magistério da Igreja, assim como está nos volumes de São Tomás de Aquino. Com efeito, o que Tomás ensina sobre a verdadeira natureza da liberdade, que hoje se está mudando em licença, sobre a origem Divina de toda a autoridade, sobre as leis e sua força, sobre o domínio justo e paterno dos Príncipes, sobre a obediência devida aos mais altos poderes, sobre a Caridade recíproca entre os homens, estas e outras doutrinas semelhantes têm força grandíssima e invencível para subverter aqueles princípios do novo direito, que são perniciosos à ordem social e ao bem estar público.
Finalmente, todas as disciplinas humanas devem esperar progredir e aguardar muitíssimas ajudas desta renovação da Filosofia que nos propusemos. De facto, as ciências e as artes liberais sempre tiraram da Filosofia, como da ciência moderadora de todas, a norma sábia e a maneira recta do proceder, e dela, como de fonte universal da vida, conseguiram o espírito que as alimenta. Pela experiência dos factos, está provado, que as artes liberais floresceram grandemente quando se manteve incólume a honra e foi sábio o juízo da Filosofia, e que decaíram e foram quase esquecidas quando a Filosofia foi descuidada ou embrenhada em erros e futilidades.
Pelo mesmo motivo, também as ciências físicas, que actualmente estão muito em voga, e pelas suas descobertas maravilhosas e numerosas, despertam admiração em todo o lugar, não sòmente não sofrerão nenhum dano da Filosofia restaurada dos antigos, mas até receberão grandes vantagens. Com efeito, para estudá-las com fruto e aprofundá-las não é suficiente só a observação dos factos e a consideração da natureza, mas, uma vez que os factos sejam seguros, é necessário subir mais alto e esforçar-se com solicitude para conhecer a natureza das coisas, para estudar as leis a que obedecem e os princípios donde deriva a sua ordem, a unidade na variedade, e a recíproca afinidade na diversidade. É maravilhoso ver quanta força e quanta luz possa trazer a Filosofia Escolástica a este tipo de investigação, DESDE QUE ENSINADA SÀBIAMENTE.
A este propósito, é bom lembrar que, com grande injustiça, se acusa a mesma Filosofia de ser contrária ao conhecimento ao progresso das ciências naturais. Com efeito, os Escolásticos, em conformidade com o sentir dos Santos Padres, tendo muito frequentemente ensinado na antropologia que a inteligência humana chega ao conhecimento das realidades incorpóreas e espirituais através das materiais, entenderam por si mesmos de que não há nada de mais útil para o filósofo do que investigar com diligência os segredos da natureza, e continuar por muito tempo no estudo dela. E isso o confirmaram também com seu exemplo. De facto, São Tomás de Aquino e o Beato Alberto Magno, bem como os outros que foram os mestres dos Escolásticos, não se dedicaram totalmente à especulação da Filosofia, nas se ocuparam também profundamente no estudo das realidades naturais. E acerca disso, não são poucas as suas afirmações e suas teses que os mestres modernos aprovam e julgam conformes à Verdade. Por outro lado, neste mesmo tempo, muitos e insignes professores de ciências físicas atestam, aberta e pùblicamente, que entre as conclusões certas e aceites pela física moderna e os princípios filosóficos da Escola não existe nenhuma contradição verdadeira e real.»
Foi São Tomás de Aquino quem produziu esta riquíssima asserção, que serve de epígrafe ao presente escrito.
Sòmente no seio da Santíssima Fé Católica e da sua sã Filosofia se pode constituir um tão altíssimo Juízo, que note-se, tanto pode brotar, Sobrenaturalmente, da Fé Teologal iluminada pelos Dons do Espírito Santo, como da mesma reflexão filosófica. Assinale-se que a sã Filosofia, que é a Tomista, CONSTITUI OBJECTO SECUNDÁRIO DA INFALIBILIDADE DA SANTA MADRE IGREJA. Jamais, na História profana da filosofia, foi concebida tão excelsa afirmação, nem mesmo numa pequena aproximação. Ou não fosse a denominada História profana da filosofia dos últimos cinco séculos, a HISTÓRIA DA PATOLOGIA DA RAZÃO HUMANA, na feliz qualificação de determinado articulista da “Civiltá Cattolica”, em meados do século XIX.
Este maravilhoso aforismo filosófico constitui uma verdadeira síntese da Fé Católica. São Tomás possuía bem gravada, na sua alma de eleição, a inefável profundidade deste pensamento.
A própria Suma Teológica confere expressão a este admirável ciclo, que iniciando-se na Criação do mundo, dos Anjos e dos homens, com consequente elevação ao estado Sobrenatural – tudo para maior Glória de Deus, Glória formal só possível de anunciar pela criatura espiritual – percorre toda a miséria da queda original, interrupção misteriosa do plano salvífico de Deus, mas sem a qual, não possuiríamos a adorável Pessoa do nosso Redentor Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos reabriu as Portas do Céu. É conhecido como a Moral ocupa um lugar absolutamente essencial na Suma Teológica, precisamente porque ela constitui A FACE OPERATIVA DO DOGMA, que nos permite, com a Graça merecida por Nosso Senhor, participarmos da Natureza Divina, da Santidade Divina, CONSUMANDO-A NO CÉU, QUE CONSTITUI A NOSSA FINALIDADE ETERNA, PERFEITAMENTE HOMOGÉNEA COM A OPERAÇÃO MORAL SOBRENATURAL QUE NA TERRA A MERECEU.
Porque todas as realidades da Fé são estritamente homogéneas, por virtude da elevação ao estado Sobrenatural, e da perfeita identificação entre o Princípio, os meios e fins secundários, e o Fim supremo.
Que diferente é este resplendor Sobrenatural da Economia Religiosa Católica, daquelas aberrações neo-platónicas, de tendência panteísta, em que se processa um descenso desnaturalizante, profanador e materializante, da realidade “divina”, para ulteriormente se efectivar uma repurificação ascensional e “sacralizante” dessa mesma “Divindade”. Por oposição ao panteísmo estático de Espinosa, estes ciclos de emanação, que remontam a Plotino (séc III) denominam-se “panenteísmo”. A seita conciliar abunda em reinterpretações deste tipo.
A Criação é realmente distinta de Deus; pelo contrário, no panteísmo, tudo integra o mesmo princípio original. Tal não contradiz a tese de que o ser do mundo É virtualmente em Deus.
Deus não usou a Sua própria substância para criar o mundo. A sua Omnipotência, o princípio metafísico ESSE, conferiu a existência às essências imutáveis que eram em Deus; consequentemente, os entes criados possuem a composição metafísica ESSE-ESSÊNCIA.
A participação na Natureza Divina, sendo real, é acidental; se afirmássemos que era substancial, JÁ ESTARÍAMOS EM PLENO PANTEÍSMO. As Naturezas espirituais criadas são elevadas por Deus Nosso Senhor à Ordem Sobrenatural por virtude da Potência Obediencial de todo o criado, e cuja expressão mais absolutamente sublime se consubstancia na Natureza Humana de Nosso Senhor assumida hipostàticamente pelo Verbo de Deus.
Na Eternidade, Anjos e homens, continuarão realmente distintos de Deus, ainda que gozando, inefàvelmente, da intimidade da Família da Santíssima Trindade, mas também da Sagrada Família.
Toda a criatura, real ou possível, mesmo na Ordem Natural, só pode vir de Deus e ir para Deus, porque mesmo sem elevação ao estado Sobrenatural, as criaturas espirituais moralmente boas, gozariam de um estado idêntico ao limbo das crianças, conhecendo e amando, naturalmente, a Deus, sobre todas as coisas, com a felicidade correspondente, mas sem participar da Sua intimidade. Registe-se que essa Ordem puramente Natural, JAMAIS EXISTIU.
E os condenados? Estes estão também nas mãos de Deus, mas em negativo infernal, porque o seu castigo anuncia a Glória de Deus, que os condenados, operativamente, Lhe roubaram. É a própria dignidade ontológica dos condenados que exige o seu castigo.
Sabemos que todo o Universo físico foi criado para o anúncio formal, espiritual, da Glória extrínseca de Deus. Mas então para que existem estrelas, e ao que parece, segundo os mais recentes estudos, também planetas, aos quais o homem jamais chegará? Qual a finalidade da sua existência? O Universo foi criado, não apenas para os homens, mas também para os Anjos; estes possuem as espécies inteligíveis representativas de todo o Universo físico, incluindo das suas maravilhas fora do alcance do homem, e por elas anunciam, formalmente, a Glória de Deus. Portanto, nada foi criado inùtilmente. Além disso, são os Anjos das hierarquias intermédias, que, como ministros de Deus, governam a imensidade cósmica.
O Vaticano 2 pretendeu estruturar zonas sombra onde a Caridade, a Santidade Divina, já não penetrasse. Inventou então uma pretensa ordem civil onde as leis Divinas já se não aplicassem. E de tal forma essa ignóbil teoria teve êxito, que ainda hoje se encontram pessoas, pretensamente muito bem pensantes e muito conservadoras, que esgrimem esse falsíssimo argumento da autonomia da lei civil. Como se a esfera civil, como tudo o mais, não se encontrasse integralmente submetida ao Império da Lei de Deus.
TUDO O QUE NÃO É DEUS, POR DEUS FOI CRIADO, E ESTÁ, QUER QUEIRA, QUER NÃO, ABSOLUTAMENTE ORDENADO, POSITIVA OU NEGATIVAMENTE, AO SEU CRIADOR.
Deus, na Sua Infinita Sabedoria e Bondade, quis que a proclamação formal da Sua Glória extrínseca fosse constitutiva da Bem-Aventurança da criatura espiritual. Quando se afirma que a felicidade da criatura espiritual constitui objecto secundário da Criação, olvida-se frequentemente que o anúncio da Glória de Deus, no reconhecimento da excelência das Suas Obras, por necessidade transcendental, não pode senão constituir Fonte imarcescível e irradiante da mais profunda e sólida beatitude; só explicável, pelo êxtase, inefável, sublime, do encontro íntimo com o nosso Criador, Aquele que literalmente nos outorgou todo o ser natural, e redimindo-o, o recriou Sobrenaturalmente.
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
Lisboa, 7 de Setembro de 2017
Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Nenhum comentário:

Postar um comentário