Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 7 de julho de 2017

O Reino dos Céus é dos violentos


'Infeliz! Tu perecerás miseravelmente, tu e toda a tua família'


 (Da vida de São Luís Maria Grignion de Montfort, pelo padre Louis Le Crom)

"Um dia, na Place Royal, ouviu um oficial blasfemar o santo Nome de Deus. Dirigiu-se a ele energicamente, tratou-o de desgraçado, embora ele estivesse com outros oficiais, e incutiu-lhe um tal temor, que o obrigou a imediatamente pedir perdão a Deus e a beijar a terra. O episódio vos pareceria incrível se tivésseis conhecido o oficial" (p. 135).
 

Durante uma missão em Nantes, penetra em um botequim mal afamado e "para mostrar de quem é lugar-tenente, o padre põe-se de joelhos no meio da malta frenética e reza uma Ave-Maria. Depois, levantando-se, toma os instrumentos de música, quebra-os contra o chão, derruba as mesas, em uma confusão geral de copos e garrafas. O estupor é geral. Alguns resistem e desembainham a espada. Com um gesto trágico, o Santo avança diretamente para eles, o terço em uma das mãos e o crucifixo na outra. Um resto de fé faz recuar esses infelizes e, apavorados por uma tal visão, fogem seguidos de todo o bando"
 
(p. 223).

"Em Saint-Pompain havia o mau hábito de realizar feiras [festivas] aos domingos (...). Montfort (...) organizou uma procissão guerreira, e, entoando cânticos, as crianças, as virgens, os penitentes, todos os fiéis, se lançaram ao assalto das prateleiras dos mercadores e da comédia dos dançarinos. Desconcertado, o inimigo fugiu. O padre de Montfort teria composto um cântico que recorda esse fato" (p. 355).

Em Roussay, "durante o sermão contra a intemperança, tão grande era a algazarra no albergue vizinho, que o missionário, descendo do púlpito, para lá se dirige incontinenti. Imitando o gesto de Jesus no Templo de Jerusalém, derruba as mesas, atropela os circunstantes que fogem. Dois homens tentam resistir, mas o Santo, que com toda a facilidade punha uma barrica cheia sobre os joelhos, agarra-os com vigor, empurra-os para fora, ameaçando-os com uma punição mais severa se reincidissem" (p. 278).
 

"A missão [de La Chère] continuava. Novo Vicente Ferrer, Montfort semeia prodígios. Desgraçado de quem lhe resiste: é punido imediatamente. A doença e a saúde estão em suas mãos" (p. 187).
 

Em Saint-Christophe, o casal Tangaran destrata o Santo, que os incitava a restituir certos bens alheios: "Então o homem de Deus deu-lhes a lição merecida.- 'Ambos estais apegados aos bens da terra e desprezais os do céu. Vossos filhos não terão êxito na vida, nem deixarão posteridade; caireis na miséria e não tereis sequer com que pagar vosso enterro'. - 'Ora, retrucou a mulher, sempre nos ficarão algumas moedas para o dobre de finados'. - 'E eu vos digo, respondeu o Santo, que não sereis honrados com o toque de sinos em vosso enterro'. A profecia se realizou ao pé da letra. Os dois filhos dos Tangaran, ambos casados, não deixarão posteridade. Crivados de dívidas, Tangaran e sua mulher morreram em uma quinta-feira santa: ela em 1730, ele em 1738; e os dois foram sepultados numa sexta-feira santa, único dia do ano em que os sinos não tocam" (p. 270).
 

Na missão de Esnandes, no momento de ser implantada a Cruz, marinheiros faziam festa numa hospedaria vizinha. "O Santo procurou apelar para a consciência do dono do albergue: trabalho perdido. Então, dominado por uma emoção sobrenatural, disse em tom profético a esse ímpio: 'Infeliz! Tu perecerás miseravelmente, tu e toda a tua família'". A profecia se cumpriu a tal ponto, que a casa passou a ser conhecida como o 'Albergue da Maldição', e quando "ruiu, mandou-se benzer a nova construção para afastar a maldição do servo de Deus" (p. 273).
 

(Padre Louis Le Crom, Um Apôtre Marial - Saint Louis-Marie Grignion de Montfort, Ed. 
Librairie Mariale, Pont-Chateau, s. d.)


Nenhum comentário:

Postar um comentário